segunda-feira, 17 de julho de 2017




O meu sabor é diferente.
Provo-me e saibo-me a sal.
Não se nasce impunemente
nas praias de Portugal.

António Gedeão




segunda-feira, 10 de julho de 2017





Sei que os campos imaginam as suas
próprias rosas.
As pessoas imaginam os seus próprios campos
de rosas. E às vezes estou na frente dos campos
como se morresse;
outras, como se agora somente
eu pudesse acordar.


Herberto Helder





segunda-feira, 26 de junho de 2017




Estou aqui para te amar, para te segurar nos meus braços, para te proteger. Estou aqui para aprender contigo e para receber o teu amor em troca. Estou aqui porque não existe outro sítio onde possa estar.

(As palavras que nunca te direi)








sábado, 24 de junho de 2017

quinta-feira, 22 de junho de 2017




Segue o corpo
Dá-lhe pousio e esgotamento.


João Almeida








Nas paredes devolutas, encontraste pássaros,
grinaldas frias, versos sem dono
nem sentido. Perto, ou muito longe,
três velas teimavam em iluminar-te os passos.
O cravo, azul, veio ao nosso desencontro.
Mas era de papel, embora rubro;
não nos podia salvar de sermos nós.

A festa, a única que me interessa, é o teu nome.


Manuel de Freitas










E de súbito desaba o silêncio.

É um silêncio sem ti,
sem álamos,
sem luas.



Só nas minhas mãos
ouço a música das tuas.


Eugénio de Andrade, Sem ti







Ninguém chama por mim
Nem chamo por ninguém.
Instante calmo e triste...
Como a vida está longe!

Luís Amaro








Vago sabor de outono
E de coisas extintas.
Nem desejos nem dor...
Meu coração esquece.

Luis Amaro




terça-feira, 20 de junho de 2017

segunda-feira, 19 de junho de 2017

domingo, 18 de junho de 2017




Sempre vivi num reduto, sempre fui uma míngua de terra encostada a um muro. Mas o reduto estreita-se, o muro já mal me deixa mover nesse espaço exíguo que foi quanto me habituei a esperar da vida e era, visto de agora, um lugar feliz, uma cara onde o sorriso cabia.

Jorge Roque











E peço ao vento: traz do espaço a luz inocente
das urzes, um silêncio, uma palavra;
traz da montanha um pássaro de resina, uma lua
vermelha.

Herberto Helder